Loading...
Loading...

PF apreende celulares usados por Aécio para fazer ligações sigilosas mas DETALHE é crucial



O senador Aécio Neves (PSDB-MG) usava aparelhos celulares 'simples' registrados em nome de laranjas para fazer ligações sigilosas, é o que indica um relatório elaborado pela Polícia Federal (PF) após a análise de objetos e documentos que foram apreendidos no apartamento do tucano em Ipanema, no Rio de Janeiro, em 18 de maio.


Os aparelhos, um Nókia e um LG, foram encontrados pelos agentes na sala de TV e no closet.

"Pelas descrições dos itens 20 e 25 acima, tratam-se de aparelhos telefônicos simples/descartáveis normalmente utilizados para conversas ponto-aponto (análogo a uma rede fechada) com pessoas determinadas/restritas de modo a evitar eventuais vazamentos do número utilizado na ligação, visando a maximização do sigilo das ligações", aponta o relatório.

Um dos celulares, segundo o documento da PF, passou pela empregada doméstica de Andréa Neves e o outro por seu motorista.

Quando foram apreendidos pela PF, porém, eles já estavam em nome de um lavrador de Minas Gerais e de um montador de andaimes do Espírito Santo.

Urgente: Agente penitenciário denuncia: Garotinho está jurado de morte por Sérgio Cabral


O relatório observa que os titulares das linhas telefônicas identificadas nos celulares apreendidos são "pessoas simples" e que não se pode "descartar a possibilidade" de terem sido habilitadas "sem o consentimento deles".

O perito responsável pelo parecer também chama a atenção de que os últimos registros de ligações realizadas por aqueles aparelhos "não denotam ser de pessoas de convívio social de assinantes daquelas linhas".

Delação


As apreensões ocorreram simultaneamente em endereços ligados ao parlamentar tucano na capital fluminense, em Brasília e em Minas Gerais por ordem do ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), com base na delação premiada do empresário Joesley Batista, um dos donos do grupo J&F.


O delator gravou Aécio pedindo a ele R$ 2 milhões para, supostamente, pagar os honorários do advogado que o defendia nos processos da Lava Jato.

Fonte: http://www.diariodopoder.com.br/noticia.php?i=92436216358
Tecnologia do Blogger.